sábado, março 28, 2009

Los Abrazos Rotos


Ainda vai demorar a estrear em Portugal mas só para dizer que o ultimo filme da dupla Almodovar/Penelope Cruz recomenda-se e muito!! Hilariante, um enredo inteligente, a Penelope sempre muito bem e um pouco aquilo que já estamos habituados do Almodovar!


Jorge Palma




Se tiver que eleger uma é esta! A letra, a música, aquilo que sinto quando a oiço...vezes e vezes!

Que a liberdade é uma maluca que sabe quanto vale um beijo...

segunda-feira, março 23, 2009

Paris Je t'aime!

video

Porque há momentos assim perfeitos... Como o de ontem passado nas escadas do Sacre Coeur a ouvir e a cantar as músicas que este "músico desconhecido" escolhia e a ver o pôr-do-sol com a cidade de Paris à minha frente...

4-8 Março - Poznan/Varsóvia




O mês de Março já está a acabar e eu nem fiz nenhum post daquele que talvez foi o mês mais intenso de Erasmus!

Ficam aqui as imagens da viagem a Poznan com direito a uma curta visita a Varsóvia!

Depois do impacto inicial em que achei a cidade muito diferente de tudo, eis que começo a percorrer as ruas, entrar nos restaurantes e cafés, e conhecer também um pouco da noite, para logo criar uma imagem de uma cidade que vale a pena conhecer!!

Montmartre!


Se a Gràcia é o meu bairro de Barcelona...

Montmartre é sem dúvida o meu bairro de Paris..!

segunda-feira, março 16, 2009

Sabes que vives na Gràcia quando a caminho de casa passas por uma escola de Música, uma escola de Circo e uma escola de Teatro Musical!!
Me encanta!!

terça-feira, março 10, 2009

Não sabendo que era impossível, ele foi lá e FEZ!

Jean Cocteau

Porque tb eu giro mal o silêncio... - controversamaresia.blogs.sapo.pt/

Giro mal o silêncio. Temo sempre que o que me ocorra por força das circunstâncias ou da vontade de alguém, se transforme em surdez definitiva e depois seja tarde. Giro mal o silêncio porque nele se encerram desagradáveis possibilidades: um desespero mudo, a frivolidade de uns lábios cerrados, a mera indiferença ou até a efectiva falta de tempo para se chegar à fala com alguma substância. Mas há mais, há muitas hipóteses para o silêncio. Por exemplo, o facto de se tornar um contraponto necessário aos momentos muitos intensos, onde tudo ficou dito e feito e o que vier a mais, estraga. Isto eu entendo: falar o quê? Dizer o quê? Apenas calar, guardar e, em havendo tempo e gosto, reviver o que se viveu, fragmentando gestos, espaços e odores na solidão da memória. Não vale a pena falar sobre o que se partilhou, a não ser que não tenha sido partilhado. Mas, mesmo assim, giro mal o silêncio. Tendo para atentar nas coisas mesquinhas, nos pequenos sinais e em especial na falta deles. Sou pela cortesia diária, a repetida e banal, mas que canta nas entrelinhas. Sou pelas pontes súbitas de palavras, pela escapadinha verbal, pelo lembrete amoroso, a qualquer hora do dia ou da noite. É claro que há o problema da justa medida, e é verdade que esta difere de coração para coração; quão ténue é por vezes a linha entre o que diariamente nos beija a atenção e o assédio sentimental (e, porque não?, o tédio). Há um risco enorme na introdução da normalidade numa relação que é tudo menos normal: esperar-se o que é esperável, preverem-se as reacções, cumprirem-se as expectativas… e de repente já não apetece, gastou-se a magia do não saber como vai ser. E, no entanto, que sensação reconfortante (quente como um abraço) a da resposta pronta que chega, a certeza de que se é correspondido na vontade das pontes que cantam nas entrelinhas, a angústia que se esvai à leitura da primeira frase, à percepção da palavra que atraca como um barco no cais do nosso sossego, até que enfim. Ah, tramada, a justa medida: a de alcançar e de retrair, a de permitir e de negar, a de dar com uma mão e tirar com a outra, a de manter o interesse, mantendo-se simultaneamente interessado. Um pau de dois bicos. Giro mal o silêncio porque me incomoda e frustra, e faz com que acabe por perder eu o interesse pois, como quase toda a gente, invisto nas coisas que me fazem bem e não o contrário. A cacofonia do amor é música para os meus ouvidos, além de que sou curiosa e quero sempre mais - e o silêncio tem ínsita uma ignorância flibusteira que me exaspera (há algo de aldrabice no não se saber apenas porque nada nos é dito). Giro mal o silêncio porque, mais tarde ou mais cedo, este traz consigo a definitiva ausência de som e, de repente, nem o chilrear dos pássaros, nem o arrulho das ondas, nem o embalo da poesia quando dobro a finisterra da noite.

domingo, março 08, 2009

Mais um atraso ou como em vez de 4 dias iam sendo 13 dias na Polónia!!

Hoje aconteceu-me das coisas mais surreais até agora...
Passo a explicar, hoje tinha o vôo de regresso a Barcelona as 10h45 sendo o embarque as 10h15(único vôo da semana em Poznan, ou seja vôo que não se pode perder de forma alguma!!) e saí calmamente da residência de estudantes onde tinha ficado a dormir em direcção à paragem de autocarros sem ver antes o mapa achando que em 4 dias já conhecia bem as ruas. Quando virei à esquerda era suposto ter virado à direita e isso fez-me chegar atrasada à paragem tendo perdido os autocarros e ficado mais uns 20 mins à espera... No fim lá aparece o autocarro e no meio daquelas palavras meio ilegiveis lá vejo o nome do aeroporto numa delas e sigo descansada (eram só uns 15 min de viagem). A questão é que o autocarro passa perto do aeroporto mas não à frente e a paragem que eu inicialmente vi corresponde provavelmente à vila onde está o aeroporto... Assim, desço do autocarro umas 2 estações depois daquela que devia ter saído e tento encontrar o aeroporto sendo que nestas altura alternava uns metros a correr e a andar (no aeroporto o embarque já tinha iniciado... eram umas 10h20!). Não passavam táxis e o sítio onde estava tinha o aspecto de uma aldeia não mto grande. Não se esqueçam que estou a falar da Polónia cujo o idioma é terrível e o número de pessoas que falam inglês não é muito extenso.
Sem meios de chegar ao aeroporto senão o meu próprio pé passo por 2 polacos que me vêem meio afogueada e que metem conversa comigo (não, não falavam inglês... era uma mistura de gestos com inglês, polaco, espanhol sei lá...). O homem diz-me que se lhe pagar me leva até ao aeroporto, eu que não tinha melhor opção aceitei meio hesitante mas com esperança. Continuamos a andar e o carro do homem nem vê-lo, pergunto-lhe pelo carro e ele como que muda de direcção mas do carro nada. Chegamos a um sítio onde se avista o aeroporto e ele aponta e aí percebi que o senhor "simpático" só me queria indicar o caminho!!!
Dei-lhe as moedas que tinha na carteira, uns 2,5 zlots qq coisa como 60 cent mas prai em 15 moedas, ele pediu mais mas lá se resignou e eu... eu tive que correr até ao edificio do aeroporto. Acho que cheguei pouco depois das 10h30 (só faltavam 15 min para o avião partir!) e o que vale é que não havia fila no detector de metais e a fila de embarque era gigante.
Às 11h estava a levantar vôo de Poznan ainda meio incredula com o que tinha acabado de acontecer...

Catarina!

Porque Erasmus são as pessoas e não apenas os sítios...
Vais fazer muita falta!!

Casa Nova!!

O nosso belo terraço!! (roam-se de inveja!)

Com as Caracois na Sala!!

Nós!!
Muitos daqueles com quem estou muitas vezes!!

21-24 Fev - Visita Marta e João!!








E mais uma vez tive visitas e que visitas!! Corremos tudo e ainda demos um salto a Sitges para festejar o Carnaval!


Estes dias foram a Gràcia, Tibidabo, Bairro Gótico, Passeig de Gràcia, Montjuic, Raval, Born, La Pedrera, La Boqueria, Xampañeria, Gaufres, Tapas, Kebab... Olha, "Gozo Máximo!!!"